domingo, 13 de junho de 2010

Uma ano atrás

Ele a buscou em casa com um pouco de atraso, mas não foi culpa de ninguém, foi graças a correria do dia a dia e eles saíram de casa para comemorar o dia dos namorados.

O restaurante escolhido estava cheio, era um lugar pequeno que servia comida japonesa, mas que já estava lotado. Eles não desanimaram. Por uns instantes ele tirou o sorriso do rosto, ele queria comemorar o dia dos namorados naquele lugar, mas logo logo passou. Qualquer mal passava raiva quando se estava junto dela.

Cruzaram a cidade atrás de outro restaurante oriental, que já reservas para todas as mesas. Dessa vez ele ficou mais nervoso, se ele soubesse quão mal isso fazia para ele, pra ela e para eles, ele não faria isso. A cara amarrada durou mais um tempo maior, mas passou. Como eu disse, tudo passava.

Acabou que eles foram para um dos poucos lugares da cidade que não tinha pensado passar o dia dos namorados. Chegando lá, era uma pizzaria, sentaram-se num lugar onde fazia um pouco de frio, ele se preocupou de deixá-la o mais protegida do vento possível. O lugar não era feio, era noite, dava vista para uma bela lagoa. Podeia dizer que a situação era inclusive romântica. Não havia qualquer tipo de barreira entre os dois, eram cúmplices de um dia dos namorados que mesmo não dando muito certo até então, era um dia especial.

O pedido foi simples, nada de pizza, tinham comido pizza na noite anterior, pediram uma de medalhão (franbacon) e uma porção de queijo e azeitona de entrada para abrir o apetite. Eles estava com fome, ela nem tanto, e também uma coca-cola.

O tempo foi passado, e mesmo na companhia excelente um do outro a demora foi sendo notada. "Ué, qual a dificuldade de cortar o queijo e tirar a azeitona do pote?" perguntou ele. Ela era muito mais decidida quanto a esse tipo de coisa, creio que tinha exemplos familiares, ele não. Assim que chegou a garçonete ela refez a mesma pergunta que ele tinha feito só pra ela antes, a moça meio que se assustou e foi procurar saber, quando voltou de mãos abanando ele perguntou sobre o medalhão, neste momento, com certeza já tinha passado pelo menos uma hora e meia que tinham feito o pedido e não haviam sido atendidos.

A garçonete, volta dessa vez com o queijo e a azeitona, e diz, depois de mais ou menos duas horas de atraso, que não tinha peito de frango pra fazer o medalhão... que situação. Não era o dia deles, justo naquele dia! Dispensaram o medalhão, comeram o queijo e a azeitona frustrados, antes do prato acabar olharam um pro outro, ele sorriu e ela devolveu o sorriso, um beijo e um abraço.

No caminho ela foi escorada no ombro dele. Sem importar com nada e felizes, acima de tudo, felizes.

2 pensamentos:

*May Lopes disse...

-Nussa!
Lindo texto!
Será que isso aconteceu com o Vítor?
=)


-Curiooosa!

Raymara Milhomem disse...

hunnnnnnnnnnnnnnnnm *-*

eu como sempre, fã de seus textos *-*

Beijos e Bom Começo de Semana.

Postar um comentário